segunda-feira, 27 de julho de 2009

Uma crônica urbana.

Mariana havia tido um dia corrido, e sua semana como todas as outras estava muito agitada.
Tinha uma pilha de livros da faculdade pra ler, trabalho do estágio pra terminar, uma blusa que ganhou do Otavio, que precisava ser, e agora, pra aumentar sua lista de coisas a fazer; lembrou-se que marcou com Fernando um jantarzinho em casa.
E ela poderia perder qualquer coisa, menos a chance de jantar acompanhada com aquele, que segundo ela, era tudo que qualquer pessoa, homem ou mulher poderia querer.
Pegou a bolsa, pegou a blusa do Otavio pra trocar e foi-se embora pra rua.
No mercado, não desdenhou nada.
Seria a melhor e mais completa noite do Fernando. Uma verdadeira orgia gastronômica.
Passou pelo caixa, e só depois de tudo embalado percebeu que era muita coisa pra dois braços. Sacolas para umas 3 pessoas.
Mas mesmo assim não esmoreceu.
Enfiou bolsas de um lado, bolsas de outro e saiu cambaleante até o próximo destino, a loja onde trocaria a blusa, e compraria outras coisas.
Depois de tudo comprado, foi andando e pensando lentamente no cardápio da noite.
Enquanto pensava e carregava seu mundo de sacolas e bolsas de lojas, veio um rapaz que dava passos apertados e rápidos, como os de quem precisam ir ao banheiro, e deu um empurrão em Mariana, de maneira que tudo que ela carregava caiu no chão.
O carinha não olhou pra traz, não ajudou Mari a catar suas compras. E de maneira torta, parecia que queria andar cada vez mais rápido.

Todos que viram a cena, acharam um absurdo, uma falta de respeito, total falta de educação, e houve até quem julgasse como falta de caráter.
A mocinha ainda abaixada olhou para frente a espera das desculpas do rapaz, mas viu somente sua bunda ao longe.
Sua calça estava extremamente rasgada, e sua cueca toda a amostra. Por isso não ajudou.

Seus problemas eram bem maiores, e ele precisa chegar em casa bem mais rápido que Mari.

"Nem sempre todos poderão te ajudar. Vai haver momentos que apesar de toda dificuldade, você deverá dar a ajuda que precisa."
Ps: Conto contado pela minha amiga Thati Freitas e adaptado por mim.
Talento pra crônista?

9 comentários:

Bertonie disse...

Não coloque a lição no final não. Cabe a cada um a sua interpretação/fikdik. Bom, eu enquadraria seu texto como 'conto', não como 'crônica', porque o que você quis falar aí por meio do seu texto é algo eterno, sabe?, presente em todas as épocas; Há problemas maiores que os seus, há pessoas que não irão te ajudar porque para ajudar o outro é preciso se ajudar primeiro. Mas você tem talento nas letras sim :D

ps: Tira esses códigos chatos pra comentar, please

.[italo]. Junior disse...

HUAHUAHUAHUAHUAHU!!!!!!!!!!!!!!

Adorei seu texto muito criativo. O final é perfeito. Parabéns

Ricelly Gama disse...

Eu concordo com o Bertonie, vc não deve colocar a lição no final pq tira a graça do texto, faz parecer aula de interpretação ¬¬' Mas o texto é legal sim :) e eu sempre procuro sair de casa com cuecas em bom estado u.u'

bjão :*

Ryan disse...

Eu adoro ser do contra!

O blog é seu!
Coloque o que você quiser... ^^

Acho uma falta de respeito as pessoas darem lições e ou opniões sem serem requisitadas para isso.

Quanto ao texto, está maravilhosamente bem escrito! Só fiquei com vontade de saber o que aconteceu depois que Mariana Catou as suas compras...

:D

beijooo

@viitormartins disse...

O BERTONIE E SEUS TUTORIAIS DE CRÔNICAS ME IRTAM, bgs;*

A crônica/conto tá ótima, Hiorrana!
E, maaano, você vai embora domingo *-*

Como está o coração? :B

Thaís A. disse...

Adorei a crônica! Grande liçaõ :) Tem talento sim!

Ricelly Gama disse...

Desculpa se eu sou chato e concordei com o Bertonie u.u'

Ah e pra escrever riscado é só vc colocar < s > antes e < / s > depois, sem os epaços dentro dos <>

Espero ter ajudado, bjão Hiorrana :*

Léo Ribeiro disse...

Nossa, interessante!
Parabéns!
=D

Ryan disse...

Meu amorrrrr, você não entendeu pela segunda vez! xD~

Esse meu comentário daqui é a respeito do comentário do Bertonie x)~

Acredito que o blog seja um livre veiculo de comunicação e que você pode postar como e o que quiser!

Ou seja: Coloque ou não a sua interpretação no final! Classifique ou não como crônica ou conto. Quem te visita tem que ler e apreciar as suas idéias e não vir querer dar aulas de "como" se fazer...

Ai que tristeeeee, você brigou comigo :/...